Coffee Valore

Logo_coffee

Produção de café carbono neutro

Já ouviu falar em produção de café carbono neutro? E em sequestro de carbono?

Esses termos estão em alta e dizem respeito a uma prática de produção sustentável.

Café Carbono Neutro - Coffee Valore
Foto de Pixabay

O Brasil é o maior exportador de café do mundo e o segundo maior consumidor da bebida. Para que a produção e o consumo continuem prósperos, é necessário cuidar do meio ambiente.

Neste artigo, veremos porque a produção de café sustentável e o sequestro de carbono estão interligados e como interferem na produção cafeeira.

Acompanhe conosco!

Produção sustentável e carbono neutro

A produção de café sustentável é bem mais do que um desejo do um produtor preocupado com o meio ambiente. Chega a ser uma necessidade cada vez mais urgente.

Produção de Café - Coffee Valore
Foto de Pixabay

Ainda que a demanda pelo café seja alta no mercado, não é somente com a produtividade que o cafeicultor deve se preocupar.

Isso que dizer que ele precisa se preocupar também com o futuro da sua produção. E é nesse ponto que a produção sustentável e carbono neutro entram em cena.

Nesse sentido, a produção de café sustentável envolve a proteção do meio ambiente e o cuidado com as pessoas.

Além disso, a produção sustentável promove melhores negócios para o produtor. A busca por certificação como Utz Certified e Rainforest Alliance é uma possibilidade de agregar valor ao seu produto.

Essa, bem como outras certificações, que você pode conferir em Certificação do café é importante para sua produção, visam uma produção através de boas práticas agrícolas, com cultivo eficiente e protegendo o meio ambiente.

Tendo em vista que a cafeicultura depende do clima, do solo e da água para produzir um café de alta qualidade, é necessário cultivar de maneira ambientalmente sustentável.  Desta forma, os recursos necessários estarão disponíveis no futuro.

Café carbono neutro

Uma vez que a produção de café emite gás carbônico na atmosfera, a necessidade de cortar essa emissão tem sido amplamente discutida.

O Conselho Nacional do Café (CNC) tem promovido encontros importantes para a discussão desse tema, de modo a obter a redução e a neutralização de emissão de carbono na cafeicultura.

Pe de Café - Coffee Valore
Foto de Vandelino Dias by pixabay.com

Esse corte é conhecido, atualmente, como sequestro de carbono na atmosfera.

Em outras palavras, o sequestro de carbono é o processo de captura e armazenamento de dióxido de carbono (CO2). Ele é removido da atmosfera e seus efeitos de aquecimento são suavizados.

O cultivo de café carbono neutro ou mesmo negativo é um processo que necessita de planejamento e investimento.

O que pode ser feito

O café carbono neutro e/ou negativo tira mais gás carbônico da atmosfera do que emite durante o seu processo de produção.

Essa neutralização pode ser conseguida de várias formas:

– Sequestro de gás carbônico pelas árvores, imobilizando-o na madeira;

– Redução de fertilizantes nitrogenados;

– Uso de fertilizante natural, compostos orgânicos e defensivos biológicos;

– Economia de água e energia;

– Melhoria da nutrição do solo;

– Uso controlado da irrigação;

– Uso de irrigação por gotejamento, evitando a volatização do nitrogênio. Há possibilidade de fazer a fertirrigação, otimizando o uso de adubos;

– Irrigação com água magnetizada, que é mais facilmente absorvida pelas plantas;

– Utilização do etanol, que pode gerar uma economia de 60% a 70% nas emissões de CO2 em uma propriedade.

Vantagens

Além de produzir com sustentabilidade, o cultivo de café carbono neutro garante um preço melhor para a safra.

Há grande interesse por parte da indústria torrefadora nesse tipo de café, uma vez que o grão carbono neutro permite uma redução de mais de 80% nas emissões de gases efeito estufa, em relação ao mesmo processo feito com o grão tradicional.

Práticas sustentáveis que auxiliam o sequestro de carbono

O uso das boas técnicas agrícolas do passado, juntamente com as novas descobertas e inovações atuais, formam as chamadas práticas regenerativas.

Essas práticas ajudam a recompor o meio ambiente, desgastado com o tempo e uso excessivo dos recursos naturais, muitas vezes sem o cuidado devido.

Além disso, são práticas necessárias para a produção de café carbono neutro.

Nesse sentido, como exemplo de práticas regenerativas temos ações como utilização de colmeias de abelhas para ajudar na polinização ou atraí-las de outra forma.

Outro exemplo de práticas sustentáveis e regenerativas é a combinação de forrageiras, funcionando como adubação verde.

Assim, quando roçadas, os nutrientes são devolvidos para o solo, diminuindo a necessidade de adubos nitrogenados.

Os adubos nitrogenados são responsáveis por grande emissão de gases de efeito estufa.

Igualmente, o investimento em arborização também é uma prática sustentável. Além de trazer beleza para a propriedade, as árvores favorecem a produção cafeeira.

Elas promovem sombreamento e, dependendo da espécie plantada, o néctar de suas flores atrai inimigos naturais que combatem algumas pragas do café, como a broca e o bicho-mineiro.

Além disso, as árvores, à medida que tiram o dióxido de carbono da atmosfera, auxiliam na redução do efeito estufa.

Cuidar dos recursos hídricos também é importante. Dessa forma, a preservação das nascentes, o reflorestamento da beira de rios e o uso racional da água garante que não faltará água no futuro.

Sustentabilidade, efeito estufa e mudanças climáticas

A preocupação com sustentabilidade está relacionada com o futuro da cafeicultura. Por isso a produção de café carbono neutro tem sido um assunto muito discutido atualmente.

Em contrapartida, o uso indiscriminado dos recursos naturais e a utilização de técnicas que agridem o meio ambiente colocam em risco a continuidade da produção cafeeira.

Mudanças climáticas e mercado do café
Foto de Pixabay

Uma das consequências, portanto, é alta emissão de gases de efeito estufa, influenciando diretamente o clima, levando ao aumento da temperatura no planeta.

Estudos apontam que se houver um aumento de 4ºC na temperatura até 2100, as principais regiões produtoras de café arábica no Brasil não conseguirão mais produzir.

A produção sustentável permite maior sequestro do que emissões de gases de efeito estufa e, por isso, vem se destacando no mercado de café.

Mais informações sobre como as mudanças climáticas afetam a cafeicultura você encontra em “Mudanças climáticas e mercado do café”.

Café carbono neutro no Brasil

A princípio, no cerrado mineiro, quatro fazendas começaram a exportar café carbono neutro para o Japão, recebendo R$ 100 a mais por saca de café com essa classificação.

Elas são associadas à cooperativa de cafeicultores MonteCcer, de Monte Carmelo (MG).

Da mesma forma, no sul de Minas Gerais, a Fazenda Sete Cachoeiras, em Três Pontas-MG, emitiu o certificado de carbono neutro.

Conclusão

Embora a produção de café carbono neutro não seja uma tarefa fácil, não há como ignorar sua importância.

As adversidades climáticas afetam diretamente a cafeicultura e tudo que pode ser feito para evitá-las ou amenizá-las, deve ser considerado.

Ainda mais quando se deseja produzir um café de qualidade, capaz de atender às exigentes demandas de consumidores, cada vez mais preocupados com o meio ambiente.

Por fim, vale ressaltar que práticas sustentáveis na cafeicultura e café carbono neutro valorizam seu produto e podem desenvolver sua competitividade no mercado cafeeiro. Já pensou nisso?