Coffee Valore

Logo_coffee

Café Especial – a revolução no jeito de tomar o café

Um café especial apresenta alto padrão de qualidade e seu consumo vem aumentando a cada dia!

Em primeiro lugar vale dizer que seu sabor e aroma são capazes de proporcionar experiências únicas aos amantes do café!

Além disso, o produtor de café pode receber um valor maior por ele.

No entanto, você já se perguntou qual a diferença entre o café tradicional e o café especial?

Café Especial - Coffee Valore
Foto de Pixabay.com

O café tradicional

De acordo com a Associação Brasileira da Indústria do Café (ABIC), é o café do dia-a-dia. Tem qualidade recomendável e seu custo é acessível.

Assim, de um modo geral, o café tradicional possui grãos que passam por torra excessiva e moagem fina, mascarando defeitos. Possui cor preta e sabor amargo.

Normalmente o café tradicional, disponível no supermercado, é feito predominantemente com o café Robusta ou por um blend de café Arábica e café Robusta, prejudicando a complexidade do sabor da bebida.

E tem mais: a torra excessiva, escura, tende a queimar o café, destruir nutrientes e eliminar traços sutis de sabor. Quanto mais “forte” o café, mais excessiva é a torra.

O café especial

Conforme a ABIC, café especial é um café de alta qualidade que precisa cumprir vários requisitos para que possa receber essa classificação.

Nesse sentido, essa alta qualidade já garante ao produtor de café vender seu produto por um preço bem maior que o do café tradicional.

O café especial possui grãos uniformes, torrados e moídos de modo padronizado. A torra mais clara preserva os nutrientes e o sabor.

Desta forma, o café especial é fonte de antioxidantes e outras substâncias benéficas à saúde.

Ficou interessado no assunto?

Venha! Vamos tomar um cafezinho e conhecer um pouco mais sobre cafés especiais.

Como surgiu o Café Especial

A norueguesa Erna Knutsen é conhecida como a madrinha do café especial. Depois de ter contato com cafés diferenciados em uma empresa que trabalhava, criou sua própria empresa.

Ela então deu nome ao café especial e possibilitou uma melhor compreensão sobre a origem do café, termos de degustação, técnicas de processamento e truques de comercialização.

Erna foi homenageada pela Associação Americana de Cafés Especiais (SCAA) como fundadora da indústria de cafés especiais.

A SCAA deu continuidade ao conceito de Cafés Especiais no mundo.

Ondas de consumo do café

Para entender como o café especial chegou aos dias de hoje, pode-se dizer que existem três ondas relacionadas ao consumo do café.

Consumo do Café - Coffee Valore
Imagem de StockSnap por Pixabay

A primeira onda

A primeira onda, de 1930 a 1960, se caracteriza pelo aumento do consumo do café e sua comercialização.

O café tinha um caráter utilitário, ou seja, servia para dar energia e melhorar a concentração e o desempenho. Era de baixa qualidade e não havia maiores preocupações com isso.

A segunda onda

Na segunda onda, anos de 1960, houve uma evolução no tratamento do café e a introdução do café especial.

Em suma, foi um período de popularização do café expresso, das cafeterias e dos baristas.

Neste período, buscava-se uma bebida de melhor qualidade e passou-se a valorizar o aspecto social e econômico do consumo de café.

A terceira onda

A terceira onda teve início no ano 2000 e segue até os dias de hoje.

Houve uma revolução no consumo de cafés especiais, em apreciar esse tipo de café. Desta forma, voltou-se a atenção para variedades especiais, sua origem, história.

Além disso, busca-se pelo grão de qualidade superior, cujo processo de produção se preocupa em preservar o meio-ambiente e a cuidar dos aspectos sociais.

A terceira onda privilegia os pequenos produtores

Isso mesmo! Os pequenos produtores são capazes de produzir o café especial a partir de uma produção mais reduzida, com processos produtivos menos agressivos ao meio-ambiente e ao grão.

Vale ressaltar que a terceira onda não anulou a segunda onda, apenas dividiu a direção das pessoas. Observa-se, no entanto, que o consumo de cafés especiais segue aumentando.

O que um café especial tem de especial?

Existe um critério para classificar o café, baseado na pontuação que recebe a partir de análises física e sensorial.

O artigo “Como funciona a classificação do café?” pode te ajudar a entender melhor sobre a classificação do café.

E, se quiser aprofundar ainda mais, temos mais artigos sobre esse assunto. Venha conferir!

A pontuação para classificação do café, determinada pelo SCAA, corresponde ao seguinte:

  • 90-100 – exemplar – Especial Raro
  • 85-89,99 – excelente – Especial Origem
  • 80-84,99 – muito bom – Especial
  • Abaixo de 80 – abaixo do grau especial – Não especial

Essa pontuação está ligada aos atributos que o café precisa ter, também estabelecidos pela SCAA.

Atributos físicos

O café especial é analisado e julgado por experts do assunto, que avaliam 11 critérios, relacionados aos seus atributos físicos. São eles:

  1. Aroma
  2. Uniformidade
  3. Ausência de defeitos
  4. Doçura
  5. Sabor
  6. Acidez
  7. Corpo
  8. Finalização
  9. Harmonia
  10. Conceito Final
  11. Sabor residual

Igualmente, além dos atributos físicos, também são analisados atributos específicos do produto, da produção e do serviço.

Atributos específicos

– Aspecto do grão

– Forma de colheita

– Tipo de preparo

– Adição ou retirada de componentes

– História e origem dos plantios

– Sustentabilidade econômica, ambiental e social

– Rastreabilidade dos grãos

Pode-se dizer ainda que para ser considerado especial, o café precisa ter selo de qualidade, certificado de origem e premiações.

Conheça um pouco mais sobre a certificação do café em nosso artigo!

Características do Café especial

O plantio do café especial recebe atenção especial no que diz respeito à variedade, tipo de solo, altitude, temperatura e clima.

Qual espécie de café pode ser especial?

Xícara de Café - Coffee Valore
Foto de Engin Akyurt no Pexels

Até então, somente os grãos de café Arábica tinham potencial para a produção de café especial.

No entanto, em abril de 2021, um lote de café Conilon, produzida no Espírito Santo, recebeu, pela primeira vez, uma certificação da BSCA.

Produzida pela família Venturim, esse lote recebeu 90 pontos pelo método de avaliação da Specialty Coffee Association e foi considerado café especial.

Especial e Gourmet

Provavelmente você já deve ter ouvido falar em café gourmet. Mas, será que existe diferença entre o café especial e o café gourmet?

Tanto um quanto outro é considerado café de alta qualidade e ambos passam por análises criteriosas para garantir essa qualidade.

No entanto, para ser considerado um café especial, o café precisa atingir a pontuação exigida pela SCAA (Specialty Coffee Association of America), como já explicado.

O café gourmet, por sua vez, para ser classificado como tal, precisa passar pelos critérios de avaliação da ABIC (Associação Brasileira da Indústria do Café).

Além disso, os cafés gourmet são feitos com grãos 100% Arábica.

Embora possa se afirmar, aqui no Brasil, que o café gourmet é um café especial, para receber a certificação de café gourmet é necessário ser associado da ABIC.

Essa exigência não é necessária para o caso de ser classificado somente como café especial.

Especial e Orgânico

O café orgânico é um café especial que se diferencia por não utilizar nenhum produto químico, como fertilizantes sintéticos, pesticidas ou conservantes, no processo de produção.

Nesse sentido, o café orgânico veio para atender as exigências de consumidores cada vez mais preocupados com as questões ambientais e com a saúde.

Portanto, para saber se você está consumindo um café orgânico, basta verificar se na sua embalagem existe o selo de certificação para produtos orgânicos.

Para conseguir essa certificação, atualmente, é necessário fazer parte do Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos e cumprir com as exigências apresentadas.

Você pode saber mais sobre esse assunto em nosso artigo sobre certificação do café.

Especificidades do café

Os frutos maduros são os que apresentam o desenvolvimento completo, ou seja, são ideais para produzir o café especial.

Em caso de misturas de grãos em processo de maturação diferentes, usa-se separá-los durante a colheita ou mesmo durante o processamento.

Além disso, também requer atenção em alguns processos, como a secagem e a torra do fruto do café.

Nesse sentido, a seleção de grãos é bastante rigorosa e o ponto da torra é mais preciso.

O café especial possui um fruto doce, cheio de néctar e é necessário preservar essa doçura. O resultado é um café naturalmente adocicado, conhecido como café frutado.

Igualmente, pode apresentar notas achocolatadas e florais, com acidez agradável.

Em um momento posterior, pode-se optar por submeter o café à fermentação, ou seja, realçar e até mesmo adicionar novas características à bebida.

Entretanto, é necessário conhecer muito bem esse processo, pois fermentações indesejadas podem prejudicar sua produção.

Por fim, deve-se ter muito cuidado também com o processo de armazenamento, a fim de evitar que os grãos percam sua qualidade.

O café especial veio pra ficar

Antes de mais nada, o mercado dos cafés especiais está em crescimento, com a demanda aumentando cerca de 15% ao ano.

Há projeção de que o consumo dessa bebida irá dobrar entre os anos de 2019 e 2023.

Isso quer dizer que há muita possibilidade de crescimento. Ou seja, tanto o produtor quanto as empresas que trabalham no ramo dos cafés especiais, podem sair lucrando.

Arte e lazer

A grande apreciação do café especial, bem como o crescimento dos chamados coffee lovers mostra algo bem interessante: o consumo dessa bebida está relacionado a um momento de prazer e de oportunidade de interação social!

Ao mesmo tempo, os baristas são capazes de fazer verdadeiras obras de arte em uma xícara!

E mesmo que existam aqueles que preferem apreciar sozinhos o café, é inegável o fato de que essa doce bebida traz aconchego, satisfação e motivação para desempenhar as tarefas do dia-a-dia.

Conclusão

Por fim, o consumo do café especial está em alta e sua produção requer alguns cuidados especiais.

Ele se diferencia do café tradicional por conquistar selos de qualidade, certificações e premiações.

O café especial, apesar de exigir mais do produtor, tem maior valor no mercado, quando comparado ao café tradicional.

Mesmo que você não seja tão exigente na hora de tomar um cafezinho, há de concordar que o café especial merece as honras que recebe, não é mesmo?